sexta-feira, 29 de junho de 2012

Vara Ocular

Nesta segunda-feira
Na pacata cidade de Penha
Reina o canto dos pássaros
O silêncio dos homens
E uma engrenagem desacelerada dentro de mim.
Todas as minhas bagunças pedem minhas horas
Vagas de tanto pra fazer e dizer
Que já nem sei.
Se tivesse de priorizar
Começaria pelos meus complexos
E os lavaria todos
Mas como me soa inútil esta tentativa
Diante de tantas manchas na minha identidade.
Minha insegurança molhou todo os meus lençóis
E nos meus jardins as flores românticas
Exigem adubo em excesso
Para que possam florescer seguras.
A pureza do meu espelho, de tão imunda
Me cega a beleza que há calendários não confio.
O colchão, mofou.
Deve ter sido a paranoia
Que outrora me escorreu saco-rabo á fora
Não relaxo e descanso não há.
Quanta lama na minha estima!
Que tremendo medo
Este de me perder de mim.
Eu que nunca estou em casa
Sempre quero estar em casa.
Mais um cigarro
E juro que me levanto pra limpar o xixi da cachorra.

Claudio Rizzih.


P.S: Estou de volta, Amantes! Obrigado por continuar dedicando atenção aos meus poemas neste tempo todo sem atualizar o blog. Volto com uma nova safra de poemas. Sintam-se á vontade. A casa é sua.

4 comentários:

Glauco disse...

Voltou em grande estilo Claudinho! Sempre com textos fortes... adorei este!

stilbonmaria disse...

Great You have a very nice webdesign here on your page i like it very much and have add your blog to my favorites.This is a really excellent read personally, Must admit that you are one of the finest bloggers I ever saw. We truly stumbled about this on yahoo, and im happy Used to do. I’ll definitely be coming back again.

CTT disse...

Perfeito Claudinho tu é único!!
bjus Tai

Priscila Lopes Franco disse...

Uau! Mto bom poetar sr. Parabéns!!

Postar um comentário