terça-feira, 15 de novembro de 2011

Madre

Sentado no mato, espero.
Os dias me fundem ao barro
Palmo por hora
Sentado no mato, espero.
Um dia tua fome de gente e asfalto
Será saciada
E eu vou estar te esperando
Com o meu Amor que é rural
Feito pra colono que és.

Claudio Rizzih.

5 comentários:

Nahiana disse...

Amei! Profundo, verdadeiro e certeiro assim como você Rizzih!
Nota-se a pureza do amor em cada linha!

Andresa Alvez disse...

"Um dia tua fome de gente e asfalto
Será saciada."

Espera, espera que vem. A gente sempre espera, mesmo às vezes achando que não, a gente fica ali... Uma hora vem.

Eu não saio, eu fico aqui, porque eu sim. <3

Daniele disse...

Perfeito!!!!!!

Glauco disse...

Gostei muito dessa linguagem, dessa coisa rural mesmo... hehe, e vc sempre é certeiro em falar de amor né. Parabéns!

Renata Kawane disse...

Adorei! Sua maneira de escrever é encantadora!

Postar um comentário