segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Tem Saudade na minha Janta.

Como o navio que colidiu com a rocha
E a mãe que espera o filho morto voltar
A vida ancorou. Sempre ancora.
A Saudade sobrenome
É o preço que pago por viver intensamente.
A vida estacionou
Naqueles anos em que tu me Amavas como á ti
Em que dávas-me nós fortes para não fugir
E mal sabias tu que eu jamais partiria.
Fomos felizes.
Boa noite, querido.

Claudio Rizzih.

1 comentários:

Andresa Alvez disse...

Tem Saudade no café da manhã também... No meu, sempre tem.
A gente amarra forte pra não sair, pra não fugir; uso desse método desde... Sempre. A gente da nó cego, pra nunca mais desatar. Porque mesmo que (a gente ache) tenha um fim, não se vá.

Eu sim.

Postar um comentário